Blog do Naça - Campanha #nãoaceitebullying

Banner BlogNos últimos anos, o bullying tem sido um assunto bastante discutido pela sociedade. Mas, além dos jornais, órgãos de pesquisa e estudiosos, será que as escolas têm se posicionado a respeito? Sentindo essa necessidade, o Colégio Nacional decidiu promover uma campanha contra esse problema que atinge principalmente os jovens em idade escolar. Nossa intenção é esclarecer jovens e adultos sobre o que é o bullying, explicar quais são suas consequências e apontar os meios mais eficazes de combatê-lo. 

O que é bullying?

O bullying acontece quando alguém humilha ou agride constantemente outra pessoa. Atitudes como xingar, espalhar rumores, agredir fisicamente ou excluir intencionalmente alguém são formas de bullying. Essa prática é mais comum entre crianças e adolescentes e, por esse motivo, acontece com maior incidência no ambiente escolar. Mas o bullying está em todo o lugar. Pode acontecer pessoalmente, por escrito, pelo telefone, pela internet, pelas redes sociais (cyberbullying), no ônibus, em casa… em qualquer lugar. Seja lá onde for, o bullying é inadmissível. É importante esclarecer que o bullying não faz distinção de gênero: é praticado e sofrido tanto por meninos quanto por meninas.

Por que é importante combater o bullying?

O bullying é fruto da intolerância e do desrespeito à diversidade. Causa danos emocionais que dificilmente se reparam por completo ao longo da vida de quem sofre com esse mal, podendo inclusive levar a vítima a cometer suicídio em casos mais extremos. Alimentar o bullying é contribuir para uma sociedade mais intolerante e menos humana. Por isso é tão importante combatê-lo.

Quais são as características da pessoa que pratica bullying?

Aqueles que intimidam outros jovens ou crianças geralmente apresentam uma postura hostil e intolerante. A pessoa que pratica bullying geralmente é o “valentão”, o “líder” ou o “piadista” da turma, que usa a força física e/ou a violência emocional para atingir o outro. Os pais não devem elogiar nem estimular os filhos que apresentam comportamento arrogante, com sentimento de superioridade em relação aos outros. O melhor a se fazer é conversar e, se necessário, procurar a ajuda de um psicólogo.  

Qual são as características da pessoa que sofre bullying?

Instrospecção, aversão ao convívio social e isolamento são as características mais marcantes de quem sofre bullying. Muitas vítimas sofrem caladas, por vergonha, por acharem que são culpadas ou até mesmo por acreditarem que merecem os apelidos. A falta de oportunidade de diálogo também contribui para esse silêncio. Cabe, então, a pais e professores a tarefa e identificar se há algo de errado na vida social da criança ou do adolescente.

O que a pessoa que sofre bullying pode fazer? O que as testemunhas de casos de bullying podem fazer?

O melhor que a vítima ou as testemunhas de práticas de bullying podem fazer é NÃO FICAR CALADO. Denunciar é a melhor saída. Se você identificar uma vítima de bullying, procure estar ao lado dela. Converse, demonstre seu apoio e encoraje a pessoa a conversar com um adulto. Não seja cúmplice de uma injustiça.

Como as escolas podem ajudar a combater o bullying? Como os pais devem proceder?

À escola, cabe promover espaços para debater o tema, como campanhas de conscientização e conversas em sala de aula, além de demonstrar apoio aos alunos, oferecendo um ambiente sempre aberto ao diálogo. Aos pais, cabe acompanhar de perto a vida de seus filhos, estando atentos a quaisquer mudanças de comportamento que possam indicam a presença do bullying em suas vidas, seja para o perfil da vítima ou do agressor. Os adultos devem entender que bullying não é “brincadeira de criança”.

No próximo post, explicaremos quais são as implicações legais da prática do bullying. Acompanhe!

(Referências: Chega de Bullying e Uol)