Blog do Naça - VIII Simuna – Abertura Oficial

Beto Oliveira-4418Na noite de ontem (21/05) foi realizada a abertura oficial da VIII edição da Simuna – Simulação de Relações Internacionais do Colégio Nacional. A cerimônia contou com a presença de alunos, ex-alunos, professores e funcionários e no encerramento teve uma intervenção artística, que emocionou a todos com uma lição importante sobre o valor da mulher nas sociedades.

Este ano, o evento contará com 4 comitês principais: CSNU (Conselho de Segurança das Nações Unidas); CSW (Comissão sobre o Status da Mulher), CPP (Conferência de Paz de Paris) e UNHRC (Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas), além dos tradicionais comitês de Imprensa.

Os participantes chegaram aos poucos, todos vestidos como delegados, ativistas, diplomatas e jornalistas, demonstrando entusiasmo e expectativas. Antes das solenidades começarem, os integrantes de cada comitê se reuniram, às 19h, para revisar as regras dos futuros debates, que foram divididos em 6 sessões ao longo do 4 dias de evento. Em seguida, todos se encontraram no pátio próximo à midiateca para a cerimônia de abertura.

Durante a composição da mesa oficial, estavam presentes os professores-conselheiros Délcio Gomes, Leandra Guerin, Sandro Vital e Miriane Pereira; a coordenadora de projetos, Sandra Nunes; a vice-diretora Maria Helena Roldan (Lena); a ex-aluna e Secretária Acadêmica, Cristiane de Grande; o Secretário Geral da VIII Simuna, Carlos Monteiro; e como convidado da noite, o professor honorário, Erwin Xavier (Instituto de Economia/ Relações Internacionais UFU). Além da participação de ex-alunos, como o Fernando Lima, um dos idealizadores do protejo. 

No discurso de abertura, o professor Délcio fez um resgate histórico sobre as edições anteriores, além de uma reflexão sobre os resultados colhidos até aqui. “Não é apenas representar um país, mas representar sonhos, anseios e se projetar para o mundo”, disse. O professor Erwin reforçou a importância desse trabalho de simulação para os alunos que desejam lutar pelos seus ideais políticos de intervenção na sociedade, em busca de um mundo mais justo e igualitário.

Beto Oliveira-4463O tradicional gesto de “bater o martelo”, que simboliza a abertura oficial da Simuna, foi feito em conjunto por Cristiane de Grande e por representantes de todos os comitês.

Em seguida, teve início uma encenação de duas mulheres que apareceram no meio do público. Elas eram narradoras e personagens dando voz e movimento à situação de várias mulheres pelo mundo que sofrem violência, seja sexual ou moral, e que pedem um basta a todo esse sofrimento. Elas finalizaram a intervenção com uma palavra simples, mas de profundo sentido: “Chega!”

A VIII Simuna vai até domingo, dia 24/05. Acompanhe-nos pelo nosso site e através das redes oficias do Colégio Nacional e fique por dentro de tudo!