Apresentação

Caros estudantes, colaboradores e demais participantes,

Sejam todos bem-vindos à 11º edição da Simulação de Relações Internacionais do Colégio Nacional, que neste ano será realizada entre os dias 28 de junho a 1º de julho.

Nos últimos dez anos, a SIMUNA ofereceu para os estudantes participantes um espaço simulado de comitês das Nações Unidas, onde o real e o imaginado se entrelaçaram, possibilitando aos jovens debater, em escala reduzida e por meio de representações de papéis, os principais problemas que desafiam a humanidade.

Desde o seu primeiro comitê, em 2008, a SIMUNA não se eximiu em propor e enfrentar situações-problema tão variadas quanto os grupos humanos afetados ou responsáveis por elas; questões como os impasses territoriais, a intolerância religiosa, a desigualdade de gênero, os refugiados e os apátridas, as crianças-soldado, os golpes de Estado, as práticas de tortura, o trabalho escravo e degradante, as mudanças climáticas, o radicalismo político, a ameaça nuclear e o desarmamento, os objetivos do milênio, o racismo e a luta pelos direitos civis, os direitos de patente e liberdade de acesso a informação, as epidemias, as guerras e os grandes eventos da história do século XX. Temas que traduzem apenas uma parte do universo de uma simulação de relações internacionais.

Durante os dias do evento, a SIMUNA se transforma em muitos outros espaços de interação e aprendizado, envolvendo desde as interpretações teatrais, a criação de documentários, os desenhos de humor, as apresentações musicais, a produção jornalística, compondo por meio da diversidade um espaço que promove o desenvolvimento do sujeito como um todo, por meio da autonomia e da alteridade.

 Preocupações como essas assumem um destaque ainda maior em um ano – como o de 2018 – no qual lembramos os cinquenta anos da morte de Martin Luther King Jr, cuja luta pacífica e pautada na desobediência civil enfrentou corajosamente a segregação racial nos Estados Unidos, respondendo o ódio com amor e o sonho de uma sociedade onde todos, independentemente de sua cor, mas também de sua origem social, da ideologia, do gênero, da religião, da nacionalidade, pudessem se sentar juntos à mesa da fraternidade. Um sonho que também nos move hoje, e nos faz lembrar da geração romântico-revolucionária de 1968, e suas muitas primaveras, além dos trinta anos da Constituição cidadã de 1988, ou ainda, dos setenta anos do documento mais importante já escrito: a Declaração Universal dos Direitos Humanos.

A SIMUNA é um evento que acredita que, por meio da educação, é possível edificar uma sociedade pautada primordialmente no gênero humano. Sendo assim, convidados a todos a compartilharem deste sonho.

 

Cordialmente,                                                                                                                                                                                         

Agostinho Tozzo Neto, Délcio G. Gomes, Leandra Guerin, Marina Goulart, Miriane Dayrell, Sandra Nunes, Sandro Vital da Luz.

Professores e coordenadores da XI Simulação de Relações Internacionais do Colégio Nacional.