Projetos e eventos - Saber Viajante

Viajar, conhecer outros lugares, histórias, perspectivas de vida. Este projeto transporta nossos alunos de todos os níveis de ensino para novas possibilidades de aprender, em que a curiosidade e a vivência são os principais instrumentos da construção do conhecimento.

 

EDUCAÇÃO INFANTIL

As viagens começam já na Educação Infantil, com o objetivo promover experiências de autoconhecimento, integração social e contato com diferentes paisagens e realidades. São vivências que levam os alunos a cidades próximas, em que vão ao teatro, a museus, praças e shows. Viajar é uma forma de experimentar, uma jornada que possibilita um aprendizado cognitivo e afetivo, contribuindo para a criança aprender a ser, a dispor de si e a disponibilizar-se para o outro.

 

ENSINO FUNDAMENTAL

Nos Ensinos Fundamentais I e II trabalhamos a inserção do aluno nos espaços físico, social e cultural e suas relações em pequena e grande escala – da comunidade ao mundo. Nessa fase, a busca pelo conhecimento precisa ser estimulada por meio de situações de experimentação dentro e fora da escola. As viagens são um instrumento fundamental para a percepção do espaço em uma perspectiva histórico-social e para a construção de significados sobre realidade. Além disso, sobretudo no Ensino Fundamental II, em que os alunos estão em transição entre a adolescência e a vida adulta, as viagens são um ótimo meio de se trabalhar as relações interpessoais, criando aproximações e reforçando vínculos.

Os alunos do 5º ano do Ensino Fundamental I viajam à Brasília todos os anos, a fim de conhecer a região do cerrado brasiliense, a formação da cidade, sua arquitetura, a estrutura do governo brasileiro na capital. No Ensino Fundamental II, os alunos têm uma parada certa no NR, um acampamento que atua nas áreas educacional e de lazer, contribuindo para o desenvolvimento e formação de milhares de crianças e jovens desde 1953.

 

ENSINO MÉDIO

No Ensino Médio, as atividades fora da escola proporcionam aos alunos oportunidades de desenvolvimento do protagonismo e do trabalho colaborativo, o que contribui também para as relações interpessoais. Cada ano do Ensino Médio realiza uma viagem para alguma cidade do Brasil que melhor representa conteúdos e perspectivas que estejam sendo estudados. Guiados por professores, colaboradores e coordenadores, os alunos se envolvem em atividades interdisciplinares, reconhecendo na viagem aspectos naturais, sociais e culturais da região visitada. No Colégio Nacional de Uberlândia, o Saber Viajante se desenvolve por meio de três projetos específicos no Ensino Médio.

 

Punhado de Trem

1º ano – Punhado de Trem

Levar o “uai” para a terra do “leite quente” é um jeito diferente de aprender “um punhado de trem”. O projeto propõe aos alunos do 1º ano uma viagem pelas terras sulinas do Brasil, na região do Paraná. Durante um percurso que inclui trechos de ônibus e trem, os alunos entram em contato com diferentes paisagens, histórias e experiências culturais. Guiada por uma dinâmica interdisciplinar, a viagem agrega importantes conhecimentos aos alunos, que reconhecem os conteúdos estudados em sala de aula vivenciando diversas realidades: as mudanças de paisagem, os ecossistemas variados, as diferentes formas de organização geográfica e social, a troca cultural. Somado à possibilidade de experimentação do conhecimento, outro aspecto fundamental desta atividade é a integração entre alunos, professores e colaboradores, que estreitam laços e se aproximam de outros grupos durante a viagem.

 

Pé na estrada

2º Ano – Pé na estrada -Ciência e Arte

O projeto Pé na estrada propõe uma jornada que se faz aos passos. Não só porque os viajantes percorrem 20 km a pé pelo estado do Rio de Janeiro. Neste trabalho, a intenção é fazer dos trajetos caminhadas transformadoras, que proporcionem aos alunos novas perspectivas de mundo, por meio de um aprendizado interdisciplinar e, sobretudo, humanizado. Nossa aventura começa em Paraty, onde percorremos o Caminho do Ouro. A Usina Nuclear de Angra dos Reis é a próxima parada, que nos faz refletir sobre questões de sustentabilidade. Ainda em Angra, um barco nos espera para andarmos por Ilha Grande, até chegarmos em Abraão, uma vila turística de onde partimos para começar nossa caminhada de 10 km até Vila Dois Rios, que abriga o Centro de Biologia da UERJ – Universidade Estadual do Rio de Janeiro. Caminhando por trilhas da Mata Atlântica, passamos pelo mangue e a praia e conhecemos as ruínas do presídio de Ilha Grande, aquele já “habitado” por Graciliano Ramos. Para finalizar, na volta (mais 10 km caminhando), visitamos a Fazenda Ponte Alta, onde somos recebidos pelo Senhor Barão e Senhora Baronesa de Mambucaba. A intenção é que o conhecimento científico seja vivenciado por meio da contextualização histórico-geográfica da nossa jornada. E a sensibilidade humana percorre toda a experiência, da exploração do ambiente às conversas com os moradores nativos; das vivências culturais às relações interpessoais.

 

Tudo ao mesmo tempo

3º Ano – Tudo ao mesmo tempo agora

É comum que o 3º ano do Ensino Médio seja visto apenas como um encerramento de ciclo, um momento de dedicação e preocupação exclusivas com o sucesso nos processos seletivos de ingresso nas universidades. No Nacional, acreditamos que esse último ano deve ser tão rico do ponto de vista cultural quanto os outros. Foi pensando na necessidade de enriquecer sua vivência nesta reta final que propomos aos alunos a viagem “Tudo ao mesmo tempo agora”. É tempo de estudos, despedidas, recomeços, tudo ao mesmo tempo. Nosso destino varia entre São Paulo e Rio de Janeiro. Independente do rumo que tomamos, os destinos são explorados nos mais diversos sentidos. Conhecemos as referências culturais, econômicas e políticas das capitais, suas atividades artísticas, seus patrimônios e centros históricos. O objetivo é aproveitar ao máximo cada experiência, cada oportunidade de aprendizado, nessa fase de “tudo ao mesmo tempo agora”!