Simuna

A 12ª edição da SIMUNA será realizada entre 27 e 30 de junho de 2019. O tema: “Tupi or not Tupi: That is the question”, baseia-se no Manifesto Antropófago escrito por Oswald de Andrade em 1928, que deu o pontapé inicial ao Modernismo no Brasil. O movimento se propunha a assimilar – não copiar – outras influências, buscando estabelecer uma cultura de caráter nacional. A SIMUNA também se insere neste contexto ao possibilitar e imergir o estudante em discussões de temáticas relevantes para a atualidade, como narcotráfico, DST’s e os impactos da mineração no Meio Ambiente.

 

 

Apresentação

Caros estudantes, colaboradores e demais participantes,

Sejam todos bem-vindos à 12ª edição da Simulação de Relações Internacionais do Colégio Nacional, que neste ano será realizada entre os dias 27 e 30 de junho.

A SIMUNA é um modelo que reconstrói, em pequena escala, comitês das Nações Unidas e outras organizações internacionais, além de encontros históricos e agências de comunicação escrita e audiovisual que, cotidianamente, acompanham os principais acontecimentos do mundo. SIMUNA também é um grande painel artístico, multifacetado e que reúne interpretações teatrais, direção de documentários, desenhos de humor, apresentações musicais, compondo, por meio da diversidade, um espaço que promove o desenvolvimento do sujeito como um todo, usando autonomia e alteridade.  

O Projeto surgiu em 2008 como um evento pequeno, articulado pelos estudantes do Ensino Médio, com apoio dos professores, coordenadores e outros integrantes do corpo pedagógico do Colégio Nacional, oferecendo um espaço aberto e democrático, em forma de simulação, dentro do qual os participantes representam embaixadores, presidentes, juízes, chefes militares, jornalistas, fotógrafos, ativistas de organizações não governamentais, artistas, experimentando diversos papéis relevantes no cenário internacional.

E o que esse projeto pretende? A SIMUNA pretende algo ambicioso: convidar, durante um fim de semana, as lideranças políticas e as organizações que fizeram história e atualmente debatem as questões fundamentais no mundo para conversarem mais uma vez dentro de nossas salas de aula, por meio de uma simulação na qual nossos jovens são desafiados a pensar o mundo, debatendo possíveis soluções para os impasses econômicos, sociais e humanitários que ainda assolam o nosso tempo. Muitos destes estudantes-delegados, envolvidos nesses quatro dias do evento, tornam-se comprometidos nos anos seguintes, e provavelmente por toda uma vida, com questões tão relevantes.

Em 2019 o tema será: “Tupi or not Tupi: That is the question”. Intrigante, não é mesmo?

A Simuna ocorrerá nos dias 27, 28, 29 e 30 de junho, na Unidade México. Todos estão convidados a conhecer de perto essa boniteza que contribui com o ‘desenrolar’ dos jovens e adultos que participam direta ou indiretamente desse momento.

Você é SIMUNÁTICO? Não?!!! Então venha viver conosco essa maravilhosa aventura!!!

Comitês

Tema Geral: “Tupi or not Tupi – That is the question”.

1. Comitê Histórico:
Tema: Assembleia dos estados gerais – Versalhes. 05 de maio de 1789
Formato: Duplas / 9º anos a Universitários

2. Comitê Histórico:
Tema: Guerra do Peloponeso
Formato: 4 grupos de 8 membros / 6ºs a 9ºs anos

3. OEA – Organização dos estados Americanos:
Tema: Novas estratégias de cooperação internacional para a erradicação do narcotráfico nas Américas
Formato: Duplas / 9º anos a Universitários

4. OMS – Organização Mundial da Saude
Tema: Estratégias para a contenção das DSTs entre a população jovem
Formato: Duplas / 9º anos a Universitários

5. CSNU – Conselho de Segurança das Nações Unidas
Tema: A situação política e humanitária no Iêmen.
Formato: Duplas / 9º anos a Universitários

6. PNUMA – Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente
Tema: Mineração e seus impactos socioambientais: a realidade das comunidades tradicionais
Formato: Duplas / 9º anos a Universitários

7. Comitê de Educadores
Tema: Cúpula dos Deuses: “Reset”
Formato: Individual – Cooperadores, educadores do Colégio Nacional

8. Comitê de Imprensa
Jornalistas:
Haverá 24 vagas para essa modalidade. As inscrições serão feitas em duplas, as quais poderão escolher um veículo para representar, ou participar de um sorteio. Caso decida pelo envio do application, a dupla deve entregar o documento no ato da inscrição.
Formato: Duplas / 9º ano a universitários

Documentaristas:
I. Haverá 04 vagas (um grupo) para essa modalidade. Participarão da SIMUNA em um grupo, de quatro componentes.
II. Para se inscrever nessa modalidade, os candidatos deverão encaminhar o link de um vídeo ou o vídeo feito pelo grupo, com até 30 segundos, no formato wmv/mp4, considerando o tema: “Tupi or not tupi: that is the question!”; até o dia 08/06/2019 (sábado) para o email: imprensasimuna2019@gmail.com
III. Formato: Duplas / 9º ano a universitários
IV. O resultado do quarteto participante nessa modalidade sairá no dia 10/06 às 19h.

Chargistas:
I. Haverá 03 vagas para essa modalidade. Para se inscrever nessa modalidade, os candidatos deverão encaminhar uma caricatura, ou uma charge, ou um desenho, no formato IMAGEM. JPEG., considerando o tema: “Tupi or not tupi: that is the question!” ; até o dia 08/06/2019 (sábado) para o email imprensasimuna2019@gmail.com
II. Formato: Individual / 9º ano a universitários
III. O resultado nessa modalidade sairá no dia 10/06 às 19h.

IMPRENSA JR. – SIMUNINHAS
I. Haverá 06 vagas para essa modalidade. As inscrições serão feitas em duplas, as quais poderão escolher um veículo para representar, ou participar de um sorteio. Caso decida pelo envio do application, a dupla deve entregar o documento no ato da inscrição.
II. Formato: Duplas 6º a 9º ano
III. O resultado das duplas participantes nessa modalidade sairá no dia 10/06 às 19h.

Inscrição

PASSO 1: FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO
Os links de acesso para os formulários estarão disponíveis nas mídias sociais da Simuna e no site do Colégio Nacional.

IMPORTANTE: Escolhido o comitê/jornal, o formulário de inscrição para a DUPLA deve ser impresso, preenchido, e assinado pelo(s) participante(s). Caso a dupla não entregue o application, será sorteada para as diversas delegações.  No ato da inscrição serão gerados boletos e contratos para cada membro da delegação e / ou veículo.

* Application é um texto argumentativo justificando a escolha da delegação, no comitê de imprensa texto deve justificar a escolha do veículo.

 

PASSO 2: LOCAIS DE INSCRIÇÃO E VALORES

Inscrição para:

1. Estudantes do Colégio Nacional de Ensino Fundamental Anos Finais, Ensino Médio e Pré Vestibular ou na Central de Atendimento:
Para pagamento com BOLETO:
• As inscrições podem ser feitas nas secretarias das unidades Rondon I, Rondon II, México e na Central de Atendimento.
• O valor é individual: R$260,00 (à vista) ou 3 parcelas de R$ 95,00 (Vencimento em 10/06, 10/07, 10/08).

Para pagamento com CARTÃO DE DÉBITO OU CARTÃO DE CRÉDITO:
• As inscrições só serão feitas na Central de Atendimento do Colégio Nacional (Av. Araguari, 150 – Bairro Martins).
• O valor é individual: R$260,00 (à vista) ou 3 parcelas de R$ 95,00 (Vencimento em 10/06, 10/07, 10/08).

2. Estudantes Universitários:
As inscrições só serão feitas na Central de Atendimento do Colégio Nacional (Av. Araguari, 150 – Bairro Martins).
• Pagamento com CARTÃO DE DÉBITO OU CARTÃO DE CRÉDITO:
• O valor é individual: R$260,00 (à vista).

3. Estudantes de outras instituições privadas de ensino:
As inscrições só serão feitas na Central de Matrícula do Colégio Nacional, sito à Av Araguari – 150
• Pagamento com CARTÃO DE DÉBITO OU CARTÃO DE CRÉDITO:
• O valor é individual: R$300,00 (à vista).

Observações importantes:
1. As inscrições serão realizadas de 05 a 08/06.
2. Há número de vagas específico para cada comitê.
3. VIDEODOCUMENTARISTAS: As inscrições só serão feitas após a aprovação do vídeo feito pelo grupo, no dia 10/06.
4. CHARGISTAS: As inscrições só serão feitas após a aprovação das charges / desenhos enviados, no dia 10/06.
5. Estudantes Universitários e devem apresentar documentação que comprove matrícula, curso e Instituição.

PASSO 3: FORMULÁRIOS PARA INSCRIÇÃO

Comitê Histórico: Assembleia dos estados gerais – Versalhes. 05 de maio de 1789.

Comitê Histórico: Guerra do Peloponeso.

OEA – Organização dos estados Americanos: Novas estratégias de cooperação internacional para a erradicação do narcotráfico nas Américas.

OMS – Organização Mundial da Saúde – Estratégias para a contenção das DSTs entre a população jovem.

CSNU – Conselho de Segurança das Nações Unidas – A situação política e humanitária no Iêmen.

PNUMA – Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente – Mineração e seus impactos socioambientais: a realidade das comunidades tradicionais.

COMITÊ DE IMPRENSA: Jornalistas | Documentaristas | Chargistas | IMPRENSA JR – SIMUNINHAS.

Cronograma

ATIVIDADES PRÉVIAS

05 a 07/06: Inscrições
11/06: 19h – Aula preparatória 1
12/06: Lançamento dos Guias de Estudo | Divulgação das delegações | 19h – Aula preparatória 2
17/06: 19h – Aula preparatória 3
24/06: 19h – Aula preparatória 4

EVENTO

27/06:
17h – Início das atividades exclusivas do Comitê de Imprensa
19h – Revisão de Regras
21h – Cerimônia oficial de abertura
22h – Coquetel de abertura
23h – Encerramento

28/06:
19h – Primeira Sessão
22h30 – Encerramento

29/06:
09h – Segunda Sessão
12h – Intervalo para Almoço
13h – Terceira Sessão
16h – Lanche
16h30 – Quarta Sessão
19h30 – Encerramento

30/07:
09h – Quinta Sessão
12h – Intervalo para Almoço
13h – Sexta e Última Sessão
16h – Cerimônia de Encerramento
17h30 – Coquetel de Encerramento
19h30 – Encerramento

Guia de Estudos

Os guias de estudos têm a finalidade de auxiliar os participantes a cumprirem seu papel nos comitês.

Em breve!

 

 

Foto: Beto Oliveira

Foto: Beto Oliveira

“A utopia está lá no horizonte. Me aproximo dois passos, ela se afasta dois passos. Caminho dez passos e o horizonte corre dez passos. Por mais que eu caminhe, jamais alcançarei. Para que serve a utopia? Serve para isso: para que eu não deixe de caminhar.”

(Fernando Birri)

No Colégio Nacional, os assuntos que dominam o noticiário internacional são vivenciados na prática por meio da Simulação de Relações Internacionais (Simuna), realizada pela escola desde 2008.

Durante quatro dias de atividades, a unidade do Ensino Médio de Uberlândia é transformada em um ambiente diplomático – inspirado nos MUN’s (Modelos de Relações Internacionais das Nações Unidas), em que os estudantes assumem os papéis de embaixadores, governantes, jornalistas e ativistas, com o desafio de representá-los com o máximo de veracidade em debates sobre questões ambientais, econômicas, culturais, sociais e políticas do mundo contemporâneo.

Seguindo uma tradição histórica, a Simuna envolve, na participação e organização, alunos e ex-alunos do Colégio Nacional. O evento é aberto, ainda, a universitários e estudantes do Ensino Médio de instituições públicas e privadas de Uberlândia e região. 

XI  SIMUNA – 2018

A 11ª edição da Simuna homenageou os 50 anos da morte de Martin Luther King Jr., ativista norte-americano pelos direitos civis dos negros. Tomando emprestado como mote a icônica frase de King – “Eu tenho um sonho” -, a Simuna, realizada entre 28 de junho e 01 de julho de 2018, trouxe para as mesas de discussão temáticas vinculadas à questão. O Conselho De Segurança das Nações Unidas (CSNU), por exemplo, definiu como tema central da agenda de discussões a “situação política da cidade de Jerusalém e o impasse israelo-palestino na Cisjordânia e na Faixa de Gaza”. 

Outro comitê representou a Conferência de Berlim, realizada em novembro de 1884. Na ocasião, 14 Estados representados em Berlim, na Alemanha, debateram acerca das condições de comércio, navegação e dos limites territoriais no continente africano, sem
considerar os interesses dos povos originários deste continente, os quais sequer foram convidados. Já o Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR) teve o desafio de simular e refletir sobre as questões religiosas, étnicas, territoriais, políticas e humanitárias inerentes a crise dos refugiados rohingyas em Mianmar. 

Os estudantes que simularam um encontro da Organização Mundial de Saúde (OMS) falou sobre as questões religiosas, sociológicas e biológicas que envolvem o tema e a buscar políticas de saúde pública que evitem mortes pelo aborto inseguro, enquanto que a Organização Internacional do Trabalho (OIT), trouxe a questão dos diversos abusos contra a mulher em ambiente de trabalho. Como sempre, a imprensa fez um papel exemplar, provocando discussões levantando suspeitas para determinadas decisões e, de certa forma, balizou algumas das decisões que foram tomadas ao final. 

X  SIMUNA – 2017

A 10ª edição da Simuna foi bastante especial. Realizado entre 22 e 25 de junho de 2017, com o tema “Desafios, diplomacia, alteridade: (des)Construindo cenários por meio da diversidade”,  o evento foi recheado de participações especiais e de momentos comemorativos, sem deixar de lado a importância da sensibilização dos estudantes presentes acerca de temas relevantes na modernidade. O Conselho de Segurança das Nações Unidas (CSNU) focou na questão nuclear envolvendo a Coréia do Norte, já o Conselho Histórico falou sobre o Incidente no Golfo de Tonquin e os conflitos no Vietnã em 1964.  

A inserção de novos comitês trouxe frescor ao evento, como a Organização Mundial do Trabalho (OIT) que discutiu sobre a persistência do trabalho em condições análogas à escravidão, a Organização Mundial da Propriedade Intelectual (OMPI), que falou sobre a questão de inovação e propriedade intelectual na internet, além da Organização Mundial da Saúde (OMS) que trouxe para mesa uma situação preocupante no mundo: contenção de epidemias. 

 

IX  SIMUNA – 2016

Realizada entre 19 e 23 de maio de 2016, a nona edição da Simuna manteve a tradição de envolver os estudantes em profundas discussões sobre temáticas contemporâneas de bastante relevância. O Conselho de Segurança das Nações Unidas (CSNU) trouxe um alerta a respeito do terrorismo no Oriente Médio, com a temática “Estratégias para a erradicação do Estado Islâmico no Iraque e na Síria”; o Comitê do UNHRC discutiu sobre a “Construção da tolerância política e religiosa em meio a expansão do terror”, enquanto o ACNUR, falou sobre uma “Resposta abrangente para a Crise Global Humanitária de refugiados”. A ligação profunda entre as temáticas mostra o quanto é preciso incentivar a tolerância entre os povos. 

A edição contou ainda com um comitê histórico bastante especial, que abordou a situação da “Crise dos Mísseis de 1962”, responsável por colocar o mundo todo em alerta perante a possibilidade de uma nova guerra mundial. A imprensa também esteve presente, confeccionando jornais, charges, caricaturas, desenhos e um vídeo documentário que mostrou os pormenores dos cinco dias da Simuna.  

 

VIII SIMUNA – 2015

Ocorrida entre os dias 21 a 24 de Maio de 2015, a última edição da Simuna possibilitou o debate de temas importantes e muito atuais. O Conselho de Segurança das Nações Unidas (CSNU) falou sobre a crise política e o separatismo no leste da Ucrânia; a Comissão sobre o Status da Mulher (CSW), sobre violência contra as meninas e mulheres perante o fortalecimento dos movimentos fundamentalistas; e o Conselho de Direitos Humanos (UNHRC), cujo foco foi refletir sobre a negação da infância em situações de extrema pobreza e guerra.

Além desses três comitês, foi instaurando um Comitê histórico, simulando a Conferência de Paris de 1919-20, que pôs fim a Grande Guerra, como os europeus a chamam, um dos maiores conflitos armados já travados pela humanidade, responsável por alterações territoriais e desdobramentos políticos que ainda hoje marcam nossas sociedades; e um comitê de Imprensa que trabalhou na cobertura do evento, por meio de jornais impressos, caricaturas, blogs e snapchat. Debates foram intensos e calorosos, trazendo à tona novos pontos de vista a respeito dos temas discutidos, de modo que os alunos passaram a enxergar, a partir de novas lentes, as relações políticas e internacionais por meio da experiência com o evento.

 

VII SIMUNA – 2014

A VII edição da Simuna ocorreu em abril de 2014 e trouxe à tona questões do cenário internacional por meio de três comitês principais: UNESCO, Comissão de Desarmamento e Segurança Internacional (CDSI) e o Tribunal de Nuremberg, além dos tradicionais comitês de Imprensa e do Terceiro Setor (ONGs).

A SIMUNA é um evento com mais de sete anos. Surgiu pequeno, articulado pelos estudantes do Ensino Médio, com apoio dos professores e do corpo pedagógico, com um tempero que combinava irreverência e seriedade. Desde o princípio, nosso projeto tem por finalidade criar um espaço, aberto e democrático, em forma de simulação, dentro do qual os participantes são levados a representarem embaixadores, presidentes, chefes militares, jornalistas, ativistas de organizações não governamentais, staffs, diretores, juízes e, porque não, jovens intérpretes dos papeis mais importantes no cenário internacional, no mundo.

 

VI SIMUNA – 2013

A abertura da VI Simuna contou com a participação do libanês Salim Kadi, que militou armado no exército aos 14 anos, e compartilhou sua experiência e visão de mundo com alunos do Colégio Nacional e graduandos da UFU. Compreendendo a necessidade de propor discussões contemporâneas, o evento ofereceu quatro comitês.

O Conselho de Direitos Humanos (CDH) debateu o problema das crianças-soldado, presentes não apenas nas guerras civis africanas, nos movimentos separatistas, em organizações terroristas, mas também no crime organizado nas favelas brasileiras. Já o Conselho de Segurança das Nações Unidas (CSNU) tratou da grave situação política e humanitária na Síria, dividida por uma guerra civil desde 2011.

O comitê de Imprensa foi reeditado, possibilitando aos jovens participantes experimentarem a produção da notícia, com seus desafios e responsabilidades. O encerramento do evento foi feito via webcam, pela ex-aluna do Colégio Nacional, Letícia Mendonça, uma das idealizadoras da Simuna, que cursou Relações Internacionais na UNESP e hoje trabalha na empresa OXFORD BUSINESS GROUP, no Panamá, e pelo consultor pedagógico do Colégio Nacional, Thomé Caires, que participou da cerimonia direto do Canadá.

 

IMG_0426V SIMUNA – 2012

A V Simuna foi realizada em julho de 2012. Um de seus comitês convidou os estudantes do Colégio Nacional e da UFU ao exercício de voltar no tempo, com a incrível chance de encerrar a Segunda Guerra Mundial de forma diferente, destino esse que foi discutido em um encontro que nunca ocorreu: a “Conferência de Paz de Varsóvia“.

Os convidados de honra da noite de abertura foram Pedro Burgarelli, ex-aluno do Colégio Nacional e graduando em RI pela University de Montreal – Canadá, e Leandra Guerin, professora de sociologia e membro honorário do conselho da Simuna.

No encerramento, além da participação de Dani Rotelli e Luchino Mandias, jovens que trabalham pela defesa do Meio Ambiente e se vestem com roupas produzidas com materiais reutilizados, houve o lançamento do livro “Cavando Trincheiras – Crônicas do Soldado Irineu”, de Paulo Irineu Barreto Fernandes, doutorando em Geografia Humana e Cultural e professor de Filosofia do Instituto Federal do Triângulo Mineiro.

 

IV SIMUNA – 2011

Na quarta edição da Simuna, realizada em novembro de 2011, foram simulados dois comitês do Sistema das Nações Unidas: o CSNU (Conselho de Segurança das Nações Unidas), que contou com a participação de graduandos da UFU, Uniminas e Politécnica, enriquecendo o debate sobre a questão Palestina; e o CDH (Conselho de Direitos Humanos), que discutiu a expansão das práticas de racismo, intolerância e xenofobia pelo mundo.

Além dos comitês, o evento contou com uma equipe de imprensa, realizando a cobertura das atividades em tempo real. As notícias foram publicadas diariamente por meio de modelos de grandes jornais internacionais, como New York Times e The Guardian e ficaram disponíveis em um jornal mural durante todo o evento.

 

III SIMUNA – 2010 IMG_3167

A terceira edição da Simuna foi realizada em outubro de 2010 e contou com a participação de alunos do Ensino Médio e Fundamental do Colégio Nacional, alunos visitantes de escolas publicas de Uberlândia, do Colégio Sidarta/São Paulo e dos cursos de Jornalismo, Direito e Relações Internacionais da UFU e da PUC do Rio de Janeiro.

Durante quatro dias de trabalho, os alunos e convidados defenderam com veemência sua posição, devidamente adequados aos procedimentos diplomáticos, seja para decidir a extradição de Giuseppe Togliatti (STF) ou para definir estrategias para contornar as catástrofes ambientais que ocasionam as mudanças climáticas (COP-16); seja para solucionar “a crise humanitária em Dafur” (ACNUR) ou para avaliar “a violência dos Direitos Humanos nas práticas de tortura pelo mundo” (CDH). Todos os acontecimentos foram acompanhados e registrados pelo comitê de Imprensa.

 

II SIMUNA – 2009

“Quem disse que os problemas da humanidade são responsabilidade exclusiva dos grandes?” Foi com essa indagação que o professor Délcio Garcia declarou aberta a segunda edição da Simuna, primeira simulação oficial do Colégio Nacional, que reuniu alunos dos 2º e 3º anos do Ensino Médio da unidade de Uberlândia.

A partir de discussões realizadas pela organização do evento – formada por alunos, professores e coordenadores, foram realizados três comitês: o de Imprensa, que reuniu alunos-jornalistas, responsáveis pela dinâmica da cobertura jornalística do evento; a Cúpula Global, que trabalhou o tema do conflito Israel-Palestina e a Cúpula das Américas, que focou a questão das bases militares estadunidenses na Colômbia e nas fronteiras.

 

I SIMUNA – 2008

A I Simuna aconteceu em 2008, de forma tímida e ainda experimental. Na época, alunos do Ensino Médio da unidade de Uberlândia que se interessavam em participar de simulações de relações internacionais de referência, como a Mini ONU, organizada pela PUC, em BH, e o Fórum FAAP, em São Paulo, se mobilizaram com colegas para criarem um evento semelhante na escola. Além de mIMG_0334udarem os rumos da história do Colégio Nacional e das próprias simulações, esses alunos pioneiros buscavam integrar os colegas que não podiam participar da atividade por questões financeiras. 

Em sua primeira realização, a Simuna contou com a participação de 17 alunos entre 1º e 3º. As discussões foram desenvolvidas em um único comitê, o Comitê Histórico, que foi conduzido nos moldes de uma reunião extraordinária da Organização dos Estados Americanos (OEA), com o objetivo de deliberar sobre um golpe de estado no Haiti.

Embora tenha sido um rascunho das simulações que a sucederam, esta primeira experiência foi muito bem-sucedida, pois a partir daí o projeto ganhou contornos de realidade. Desde então, a cada ano, novas gerações se engajam no projeto e tornam possível a sua realização, em um exercício muito significativo de visão histórica, cooperação e protagonismo.